quinta-feira, julho 27, 2017

EFEMÉRIDES MUNICIPAIS - (CXX)


A rubrica Efemérides Municipais foi publicada entre Janeiro de 1936 e Março de 1937, no jornal “A Era Nova”. 
Transitou para o Jornal “A Beira Baixa” em Abril de 1937, e ali foi publicada até Dezembro de 1940.
A mudança de um para outro jornal deu-se derivada à extinção do primeiro. António Rodrigues Cardoso, “ARC” foi o autor desde belíssimo trabalho de investigação, (Trabalho que lhe deve ter tirado o sono, muitas e muitas vezes).

(Continuação)
A Sessão seguinte realizou-se em 21 de Outubro de 1840.
Nesta sessão foram coutados os alqueives (que o nosso escrivão chama alqueves, como muito gente ainda hoje diz) e alem disse resolveu-se mandar construir um matadouro “no corro de São Jorge”, porque o antigo  tinha sido vendido e as rezes  eram abatidas dentro do próprio açougue, o que se reconheceu causar “muitos prejuízos, e não só pelas muitas imundices, que se ajuntavam no mesmo açougue, mas também porque o peso da carne diminuiu, por causa das humidades.
A construção seria feita por administração directa da Câmara; mas na sessão seguinte, como veremos reconheceu-se que não podia  fazer-se assim, porque  “ hera repugnância das leis”, e mandou-se por em arrematação.

 Sessão de 4 de Novembro de 1840.
Começa o escrivão Vaz Touro por nos dizer que os vereadores entenderam que Francisco de Sequeira não estava capaz para continuar a ser o juiz dos alfaiates e por isso nomearam para o substituir José Joaquim Cabrito. Em todo o caso mandaram que o Sequeira  fosse notificado para “não exercer o emprego”, não sucedesse que o homem, que o homem apesar de não estar capaz, teimasse  em querer ser juiz.
Em seguida nomearam para almotaceis Diogo da Fonseca Barrete Mesquita e Francisco da Costa Pacheco.
Depois diz-nos a acta o seguinte:
E logo determinaram se metesse a pregão o matadouro do açougue para se arrematar segundos os apontamentos que se achão em poder de mim Escrivão a casa de quem hiram os lançadores  que quiserem  lançar porque posto na Vereação  passada houvesse  determinado se fizesse por conta desta Câmara com tudo como here em repugnância  da lei houveram por bem revogar aquela determinação  e seguir esta”. 
Tinham errado emendaram a mão. Acima de tudo a lei.    
(Continua)
PS. Aos leitores dos postes “Efemérides Municipais:
O que acabaram de ler é uma transcrição fiel do que 
foi publicado na época.
O Albicastrense

Sem comentários:

Enviar um comentário

MEMÓRIAS DE OUTROS TEMPOS - " O JÚLIO RAMOS DO CAFÉ ARCÁDIA"

O jornal “ Beira Baixa ” publicou em 1944, a pérola que aqui estou a postar.                            Não há no Mundo maior palp...