domingo, março 01, 2009

GIORGIO MARINI - I


O texto que vão ler é sobre Giorgio Marini, pintor italiano que um dia resolveu vir morrer a Castelo Branco. Não sei quem o escreveu, (pois não está assinado), nem quando foi escrito, nem como me veio parar as mãos! Porém, mais importante que saber quem foi o seu autor… interessa em meu entender dar a conhecer um pouco da vida deste italiano, que um belo dia resolveu meter pernas a caminho e vir acabar a sua vida em Castelo Branco. A publicação deste texto é uma homenagem do albicastrense, ao anónimo autor do trabalho sobre Giorgio Marini, anónimo que embora não tenha conhecido o pintor, resolveu também ele homenageá-lo com este pequeno texto que designou como: “Um esboço de uns sombreados”.

GIORGIO MARINI
(1836-1905)

Não pretendo ser biográfico o que escrevo, nem sequer é um traço de singelo perfil. Talvez apenas o esboço de uns sombreados, nele apresento o pintor italiano Giorgio Marini, nado em Florença no recuado ano de 1836. Viveu intensamente, a vida do seu pais num período glorioso em que a vida dava ganas ser vivida, e viajou febrilmente pela Europa. Interrompendo os seus estudos na Escola de Belas-Artes da terra nata, veio a Portugal, pela primeira vez, em data que não se conhece a visitou apenas Lisboa e Porto, onde acompanhou sua irmã, prima-dona de uma companhia de Opera. Cumprido o contrato, que Marini queria ver chegar ao final, apressadamente deviam ter feito as malas para regressar á pátria, onde acontecimentos importantíssimos se estavam desenrolando. Todo o italiano que se prezava e que vivia no estrangeiro voltava à península para, de qualquer modo, tomar parte na batalha de que resultou e edificação da Itália moderna. Estava-se em pleno Ressurgimento e é de crer que lhe fervia o sangue nas veias. Havia agora alegria nos corações das patriotas, a época das perseguições das prisões, dos desterros, dos exílios, das deportações, dos fuzilamentos estava chegando ao fim. Os imperais austríacos acabavam de ser cilindrados em Solferino.
Quando regressou a Florença verificou que havia as maiores esperanças numa próxima libertação total do Pais. Estrangeiros e absolutistas nacionais estavam, os primeiros em fuga e, os segundos, desesperados. Viam-se já por toda a parte as camisas vermelhas dos milicianos de José Garibaldi e espalhavam-se e liam-se com avidez as edições das Minhas Prisões de Sílvio Pélico. Por toda a parte, nos salões, como nos cafés ou nos teatros liam-se e declamavam-se com entusiasmo e calor nunca vistos os poemas do grande poeta nacional e extremo patriota que tanto padeceu às mãos dos polícias austríacos até à sua soltura de tenebrosa fortaleza de Spielberg.
Marini não escapou nem podia escapar a esse contagiante entusiasmo. Ele próprio revelou-se sempre, nos contactos que manteve com portugueses, um genuíno meridional, fogoso irrequieto, de sangue vulcânico, diabolicamente temperamental. Não negou, queremos acreditar… e, essa justiça lhe fazemos… o seu contributo à luta. Lutou, estudou e pintava sempre, voltou a frequentar as aulas da Escola de Belas-Artes dessa cidade museu que é Florença, escrínio da arte que é um convite permanente ao estudo. Não estudou só arte, pintura muito principalmente, cultivou-se largamente, os conhecimentos que revelava, não eram os dum simples auto-didacta, ou de um vago diletante. Este homem, que se evidenciou como um artista de mérito, era, na verdade de uma cultura assombrosa.
Viajou muito e deve ter percorrido toda a Europa. O seu espolio, que desapareceu, por muito que parece, em Castelo Branco, cidade onde nada desaparece, exibia colecção notável de cartas, autografadas, documentos vários, daguerreótipos e fotografias de cardeais, príncipes, sábios, artistas plásticos e músicos. Nas suas deambulações voltou a Portugal e por cá ficou. Não se sabe que lapso de tempo mediou entre as duas vindas ao Pais. Como inveterado viajante, percorreu o território de lés a lés, continente e ilhas. Gostou da terra Portuguesa e do nosso povo e cá permaneceu. Aqui envelheceu e cá morreu. Andou de terra em terra espalhando o seu talento, enriquecendo os outros com a sua cultura.
No Porto gozou da protecção do Conde de Monfalim que o hospedou generosamente no seu palácio. Pintou muito, pintou com cuidado e com mestria quando se encontrava em melhor posição material e amparado pelos seus generosos hospedeiros e mercenariamente quando, necessitado, prospectava o pão-nosso de cada dia. Encontrava-se em Évora já há muito, quando uns parentes de pessoas residentes em Castelo Branco o credenciaram para esta cidade e, por volta de 1902, aqui chegou o florentino. Faltava-lhe ainda conhecer a pátria de João de Roiz de Castelo Branco, de Amato e de Henriques de Paiva. Numa bela tarde desembarcou vindo de comboio ou de diligência e esta etapa, mal suponha (ou ele já adivinhava), foi a ultima na sua peregrinação europeia. Acolhido com cortesia começou logo a trabalhar e pintou dezenas de quadros que se espalharam por inúmeras terras da província da Beira Baixa. Retratos às dezenas. Encomendas sobravam-lhe. Na paz podre de Castelo Branco de 1902, de vida sorna e tristonha, o folgazão Giorgio Marini, já entrado na casa dos 60, mas suando euforia italiana por todos os poros, foi, com a sua numerosa roda, um caso de alegria. Em 1903 adoeceu e deu entrada no hospital. Não perdeu a boa disposição de sempre e os amigos, nesse tempo ainda havia amigos, não o largavam e a expensas suas ali se manteve dois anos. Nesses dois longos anos, em que disfarçou o sofrimento com estoicismo, trabalhou afinamento mesmo quando as suas mãos doridas e torcidas pela gota, mal empunhavam a paleta e o pincel. Do seu quarto, de todo o hospital, fez um atelier frequentado por doentes e sãos. A portaria da Misericórdia era franqueada por torrencial romaria diurna e nocturna. A devoção e a arte podem por vezes fazer tábua rasa dos compromissos. A rigidez de cumprimentos podia ser atentatória da arte e da devoção por ela.
Giorgio Marini só estava desacompanhado quando dormia e nem mesmo assim, pois este filho de Florença devia sonhar muito em coisas belas. Bastava que sonhasse com a sua citá, com os seus entes queridos, com os amigos que lhe apareciam de novo, consigo falando sobre a ponte velha ou á sombra da catedral. Para o verem pintar, para o ouvirem contar maravilhas da sua Itália vecchia, agora renovada, peripécias das suas viagens, episódios picarescos, anedotas picantes, ditas cheias de chiste e de muito sal ou então para o ouvirem tocar viola e cantar cançonetas alegres ou de calor napolitano, os amigos não arredavam pé. Outras vezes, nos períodos de alta, era ele que saia do hospital e cirandava pelas casas dos amigos.
E a festa era idêntica. Se no Porto circulava de cálice em cálice, então o caso era falado, pois Marini, italiano e artista, o que é a mesma coisa, não escondia a sua paixão por esse sol engarrafado das encostas durienses. Se pintava ou esculpia, na música não desconhecia qualquer instrumento. Enchia-se a Igreja da Misericórdia, se fosse anunciado um serviço religioso em que ele tocava órgão e cantava. Contou-me bastante da sua vida José Batista Figueira, que conheci já velho e que em novo, conheceu Marini. Assistiu-lhe desveladamente no hospital como enfermeiro e o velho artista votou-lhe, como gratidão, um grande afecto. Quase quarenta anos depois da sua morte, José Figueira ria até às lágrimas recordando as inúmeras pilharias do italiano ditas em português com forte acento italiano. Notei sem espanto, que muitas dessas lágrimas eram também de mágoa e de saudade.
Corria o ano de 1905 e em 8 de Julho finou-se repousando sob o manto da terra albicastrense. No conservatório do registo civil de Castelo Branco, no livro de registos de óbitos do ano de 1905, a folha 23, (como salientei anteriormente), faleceu com 69 anos de idade, o súbito italiano Giorgio Marini, filho de Fernando Marini e de Theresa Franchezone.
(O texto está aqui escrito tal como o autor o escreveu)
Ps. Aos visitantes albicastrenses deste post, lançava aqui um desafio! … Gostaria de colocar nesta página o nome do autor do texto. Porém, tal só será possível com a colaboração de gente interessada em prestar homenagem, a quem prestou tributo a uma pessoa de quem só tinha ouvido falar.
As pistas para descobrir o autor do texto são as seguintes: O autor diz a determinada altura do texto, que falou com José Batista Figueira, (já velho) e que em novo teria assistido Marini… acrescentando de seguida o seguinte: ”40 anos depois ainda ria das pilharias do italiano”. Podemos concluir que o autor terá falado com José Figueira, cerca de 40 anos depois da morte de Marini, (1905) ou seja por volta de 1944. Ora podemos nós concluir, que o texto poderá ter sido escrito por essa altura? José Batista Figueira antigo enfermeiro no velho hospital albicastrense, já velho em 1940, deverá ter morrido alguns anos depois! Existirão descendentes seus na nossa cidade, a quem ele possa ter contado essas histórias? Terão eles conhecimento das conversas com o misterioso autor do texto?
Perguntas e interrogações sem resposta por agora, mas que espero poder vi a solucionar com a ajuda de alguns visitantes. Fico a aguardar ajuda dos visitantes… que a podem deixar na secção de comentários.

O Albicastrense

15 comentários:

  1. Um dos posts mais interessantes que aqui vi. Tentei pesquisar alguma coisa acerca deste pintor, mas não encontrei nada na internet. Apenas alguns livros com gravuras suas. As datas confirmam-se, mas será complicado conseguir mais informações acerca deste autor...

    ResponderEliminar
  2. João Barão10:09

    Vivo em Lisboa e tenho dois quadros pintados por Marini São retratos e penso que são do Conde de Monfalim e de sua mulher.

    ResponderEliminar
  3. Caro João Barão.

    Bem-haja pela sua informação.
    Come sabe ele esteve algum tempo no Porto a convite do Conde de Monfalim, sendo pois natural que tenha pintado os seus patronos.
    Segundo sei ele terá pintado muito por toda essa região.
    Um abraço do albicastrense

    ResponderEliminar
  4. Caro Sr Antonio Verissimo,

    Vivo nos USA e possuo uma quadro de veneza assinado "MARINI" Gostaria de saber se esse Giorgio Marini e o mesmo que pintou esse quadro.

    o quadro tem como imagem um canal de Veneza,Italy

    Obrigado

    Leonardo Fuzaro

    ResponderEliminar
  5. Caro Leonardo Fuzaro.

    Giorgio Marini pintou ao longo da sua vida uma quantidade enorme de quadros, dizer-lhe se o quadro que tem foi ou não pintado por ele é quase impossível. O que posso dizer-lhe é que ele assinava os seus quadros apenas com a palavra “Marini”.
    Tente saber a data em que ele terá sido pintado, pois sabendo que Giorgio Marini viveu entre 1836 e 1905 talvez possa ajudar.
    Tenho pena de não poder ajudar mais, mas os dados sobre ele são escassos.
    Um abraço deste albicastrense para si.

    ResponderEliminar
  6. António Silveira19:07

    Ao investigar sobre Giorgio Marini deparei-me com o interessante artigo do seu blogue. Desconhecia alguma da informação prestada embora o artigo deva ser completado com outras informações, como por exemplo a da sua estadia nos Açores. Por outro lado gostaria de contactar alguns dos autores dos comentários publicados (João Barão e Leonardo Fuzaro). Aqui deixo o meu e-mail para que possamos partilhar novas informações sobre este pintor: Silveira4@gmail.com

    ResponderEliminar
  7. Caro, Silveira.
    Num outro poste editado por min em 15 de Setembro de 2009 voltei a este tema, pois consegui novos dados sobres Georgio Marini.
    Quanto a ele ter estado nos Açores já era do meu conhecimento. Ele andou por todo o pais antes de fixar em Castelo Branco, onde viria a morrer no início século X.
    Se por ventura tiver dados novos sobre el, agradecia que os perfilhasse connosco.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Caro António Silveira

    Não tenho os e-mails que me pede, os visitantes apenas deixaram os comentários.
    Esperemos que eles ao lerem o seu comentário, possam entrar em contacto consigo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Mistico18:15

    Caro senhor António Veríssimo

    Não sei se haverá uma confusão sobre dois pintores italianos com o mesmo nome. O Giorgio Marini que eu sei ter estado na ilha de São Miguel, nos Açores, aqui viveu de 1863 a 1880, depois mudou-se para a Madeira, onde faleceu em 1883. Julgo não ser o mesmo a que se refere, mas será familiar do anterior?

    ResponderEliminar
  10. Caro amigo.
    O Giorgio Marini mencionado por mim neste poust, esteve efectivamente nos Açores, contudo, ele morreu em Castelo Branco e foi aqui sepultado, (tal como escrevi no poust).
    Deve tratar-se de outro pintor, todavia a época é quase a mesma o que levanta algumas duvidas.
    Tem a certeza que o pintor que esteve nos Açores, morreu na Madeira?
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Muito interessante o artigo sobre o pintor Marini.Tenho um quadro (retrato a óleo) de 1867 assinado por Marini. Trata-se de uma figura da burguesia portuense de apelido Paiva Ribeiro. Na assinatura está Gergiu Marini e não apenas Marini. Será o mesmo pintor?
    Cumprimentos
    Miguel Brandão Pimenta

    ResponderEliminar
  12. Amigo Brandão
    Deve tratar-se do mesmo pintor, pois ele esteve no Porto, local onde pintou muitos dos seus quadros.
    Abraço.





    ResponderEliminar
  13. Caro António Veríssimo

    Muito obrigado pela resposta. Acrescento que em casa de meus pais existiram mais três retratos a óleo do mesmo pintor. De facto naquela época Marini deve ter deixado uma extensa obra. Obrigado e um abraço

    ResponderEliminar
  14. Anónimo15:21

    morreu no hospital de Castelo Branco e o seu material (cavalete, pinturas, retratos, etc.) foi vendido para pagar as dívidas que deixou.

    ResponderEliminar
  15. Caro anónimo
    Quem terá comprado o cavalete?
    Abraço e bem-haja pela informação.

    ResponderEliminar

CHAFARIZ DE SÃO MARCOS - (V)

PUBLICAÇÃO  PUBLICADO POR MIM NO FACEBOOK  DO  GRUPO CASTELO BRANCO AOS  MEMBROS  DO  GRUPO  CASTELO BRANCO "UMA PARTILHA UM A...